terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

O condicionamento respondente: definição e aplicações

-->
Por: Bruno Alvarenga Ribeiro.

No post de apresentação do behaviorismo falamos da existência de dois tipos de classes de comportamentos: respondentes, também chamados de reflexos, e operantes. Nos debruçaremos nest post sobre o comportamento respondente. Mas antes vejamos um vídeo bastante ilustrativo. Trata-se de um vídeo que conta a história de como esta classe de comportamentos foi descoberta.

Ivan Petrovich Pavlov é o cientista responsável pela descoberta da classe de comportamentos que chamamos de reflexos. Eis uma descrição suscinta do experimento que levou a descoberta desta classe de comportamentos. A um cão privado de alimentos foi apresentado uma porção de comida. Observou-se que após a apresentação da comida o cão salivou. Acrescentou-se à situação experimental um novo estímulo. Junto com a apresentação da comida tocou-se uma campainha. Depois de seguidas apresentações da comida acompanhada do som da campainha, notou-se que o som passou a provocar a resposta de salivação. No instante 1:14 do filme é dito que o cão de Pavlov aprendeu a antecipar a comida. Supõe-se algum tipo de faculdade mental que permitiu a atencipação da comida. Mas não foi bem isso que aconteceu. O que ocorreu é que outros estímulos da situação experimental, que se associaram ao estímulo comida, passaram adquirir a função de provocar a resposta reflexa de salivação. Pavlov testou este princípio associando o som com a apresentação da comida. Chamamos de condicionamento respondente (reflexo) o processo através do qual um outro estímulo que a princípio era neutro, passa a adquirir a função de eliciar (provocar) uma resposta reflexa. Este estímulo só adquire tal função porque foi associado a um estímulo que tem a função inata de provocar uma resposta reflexa. Chamamos de estímulo incondicionado o estímulo que tem a função inata de provocar uma resposta reflexa. O termo incondicionado faz referência ao fato de que este estímulo provoca uma resposta sem nenhuma necessidade de aprendizagem, ou seja, faz parte da dotação genética do organismo apresentar certas respostas diante de certas modificações no ambiente (estímulos). Por isso muitas vezes as respostas reflexas são chamadas de instintivas, embora o termo instinto faz supor a existência de alguma força oculta capaz de provocar tais respostas.

Não se trata de nenhuma força oculta ou um ellan vital, mas apenas de respostas que foram selecionadas ao longo da evolução das espécies por causa de seu valor de sobrevivência para a espécie. Assim como a evolução selecionou traços anatômicos e morfológicos, ela também foi responsável pela seleção de comportamentos que fossem capazes de aumentarem as chances de sobrevivência da espécie. Da mesma forma a seleção natural selecionou a susceptibilidade de certos comportamentos serem afetados pelas consequências que produzem, comportamentos que chamamos de Operantes. Mas esta é uma outra história a ser abordada em outros posts. Nos interessa no momento a análise da classe de comportamentos que chamamos respondentes. Voltemos então ao que nos interessa.

No instante 2:01 é dito que o cão aprendeu relacionar (associar) o som com a apresentação da comida. Se há alguma associação é aquela que se dá entre o estímulo comida e o estímulo som, e esta associação não se dá dentro do cão em algum tipo de instância mental rudimentar, mas fora do organismo. Se o estímulo que tem a função inata de provocar uma resposta reflexa - uma resposta selecionada pela seleção natural - chamamos de incondicionado, o outro que a ele é associado e passa a adquirir a mesma função é chamado de condicionado. No experimento de pavlov a comida é o estímulo incondicionado enquanto o som é o estímulo condicionado.

A resposta provocada pelo estímulo incondicionado chamamos de resposa reflexa incondicionada. Já a resposta reflexa provocada por um estímulo condicionado chamamos de resposta reflexa condicionada. Em seu experimento Pavlov descobriu dois outros princípios: generalização e extinção.

Uma vez estabelecido o condicionamento de uma resposta reflexa, qualquer estímulo que se assemelhe ao estímulo condicionado é capaz de provocar a resposta reflexa condicionada. Pavlov testou este princípio apresentando sons semelhantes ao som que originalmente foi associado ao estímulo incondicionado (comida). Todos estes sons também foram capazes de provocar a resposta de salivação. Este princípio é chamado de Generalização de Estímulos.

Já o princípio de extinção diz respeito ao enfraquecimento da resposta reflexa condicionada até que esta desapareça. Isso é feito rompendo-se a associação entre estímulo incondicionado e condicionado. Se o estímulo condicionado é apresentado sozinho, com o tempo acaba perdendo sua função de provocar a resposta reflexa condicionada. Ele pode readquirir esta função, desde que, seja novamente associado ao estímulo incondicionado. Pavlov testou este princípio apresentando somente o som, que com o tempo deixou de provocar a resposta de salivação.

Os princípios do condicionamento respondente podem ser aplicados a uma infinitude de situações para explicar o nosso agir, principalmente podem ser aplicados para explicarem nossas reações emocionais, pois parte daquilo que sentimos e expressamos quando nos emocionamos são respostas reflexas. O parceiro que se excita quando vê a lingerie da parceira é um bom exemplo de uma resposta reflexa condicionada. A visão da lingerie foi diversas vezes associada às carícias recebidas durante os momentos de intimidade sexual. Desta associação a lingerie passou a adquirir a função de provocar a resposta de excitação sexual. Está aqui parte da explicação para a formação dos fetiches.

Quando dizemos que nosso estômago embrulha quando estamos na presença de uma certa pessoa, estamos relatando uma resposta reflexa condicionada. Certamente vivenciamos episódios desagradáveis na companhia desta pessoa, ou mesmo ouvimos diversas pessoas falando mal dela, por isso em sua presença nos sentimos nauseados. A pessoa enquanto estímulo se associou aos efeitos dos episódios desagradáveis vividos em sua companhia.

Parte do que acontece nas reações fóbicas são exemplos de repostas reflexas condicionadas. Alguém que um dia tenha presenciado um acidente de automóvel pode sentir-se angustiado, ansioso e nauseado quando entra em um carro. Poderíamos aumentar infinitamente nossa lista de exemplos, mas estes são suficientes para fornecer-nos uma noção da importância desta classe de comportamentos conhecidos como Comportamentos Respondentes (Reflexos).

Outros artigos semelhantes a este? Abaixo você encontra outras indicações de leituras do Café com Ciência, não deixe de conferir.


8 comentários:

  1. Cara muito bacana seu post...
    Muito grato pela explicação, me ajudou muito...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Jardel pela participação! Volte sempre.

      Abraços.

      Excluir
  2. Amei esse texto,entendi pontos que não tinha conseguido entender em sala de aula!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado! Então o blog cumpriu a sua missão. Rsrs.

      Excluir
  3. Acho que a "b" da prova encontrei kkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que o texto te ajudou a encontrar a resposta.

      Excluir

Obrigado por participar!